segunda-feira, 1 de setembro de 2014

OS FRUTOS DE UMA FAMÍLIA QUE REZA

De início, quero agradecer os pais que o Senhor me deu. Cristãos praticantes, eles souberam semear nos corações de seus seis filhos o amor pela oração. Éramos uma família feliz, pois nossa família feliz, pois nossa família vivia de oração. Recebi de Deus um grande dom: "uma família que reza"!
Como missionária, atendo e dou aconselhamento aos mais diversos tipos de casais. Os casais cristãos, que vivem uma profunda vida cristã, têm filhos igualmente cristãos, sejam crianças ou jovens. Que alegria sinto quando estes casais falam de sua vida de oração e de seu modo de educar, na fé, seus filhos. Quando estes casais chegam para o aconselhamento, sinto paz, alegria, amor de Deus. Mas, quando recebo casais ou um dos cônjuges com problemas, ressalta logo a frieza e a mediocridade de sua vida de oração. Após atender os pais, atendo igualmente os filhos, todos com problemas, reflexo da atitude de seus pais.
A oração em família é insubstituível. É muito importante que rezem juntos à noite, ao menos uma dezena do Terço. Que rezem com os filhos na hora de uma doença, de uma prova escolar, enfim, que rezem no dia a dia familiar.
A primeira Igreja é a família. É a Igreja doméstica.
A caridade bem ordenada começa em casa. De nada adianta exercer atividades apostólicas fora do lar se os filhos ficam no esquecimento. O resultado disto é nefasto. Conheço tristes testemunhos a respeito disso.
Pela oração, Jesus se torna, cada vez mais, o elo de união entre os esposos, facilita o perdão e a aceitação mútua. O mesmo se pode dizer em relação aos filhos.
Que o Senhor acolha nossa prece e opere, pela intercessão de José e Maria, uma profunda transformação nos casais de hoje, despertando-os para uma vida "banhada" de oração.
Lembrem-se sempre, queridos pais: seu maior patrimônios são seus filhos e é deles que vocês irão prestar contas a Deus!

Fonte: Ir. Maria Nellie Guimarães, MJC - Revista Brasil (Associação do Senhor Jesus)

Deus os Abençoe!
CAFN

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Pensamento para os Jovens

Maiores aspirações

"Em todas as épocas, e também nos nossos dias, numerosos jovens sentem o desejo profundo de que as relações entre as pessoas sejam vividas na verdade e na solidariedade. Muitos manifestam a aspiração a construir relacionamentos de amizade autêntica, a conhecer o verdadeiro amor, a fundar uma família unida, a alcançar uma estabilidade pessoal e uma segurança real que possam garantir um futuro sereno e feliz. Certamente, recordando a minha juventude, sei que a estabilidade e a segurança não são as questões que ocupam mais a mente dos jovens. Sim, a procura de um posto de trabalho e, com ele, de uma certeza é um problema grande e urgente, mas, ao mesmo tempo, a juventude permanece contudo a idade na qual se está à procura da vida maior."

Fonte: Livro Pensamentos para os Jovens Papa Emérito 

Bento XVI.

Deus os abençoe Juventude!
CAFN

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Pensamento para os Jovens

A descoberta do Projeto de Vida

Riqueza

"A juventude afigura-se como uma riqueza porque leva à descoberta da vida como um dom e como uma tarefa."

Fonte: Livro Pensamentos para os Jovens Papa Emérito 

Bento XVI.

Deus os abençoe Juventude!
CAFN

domingo, 3 de agosto de 2014

AS TRÊS DESORDENS DO PECADO

O livro do Gênesis diz que “Deus criou o ser humano à sua imagem” [1]. Antes disso, o pecado já existia, não por natureza, mas pela má vontade dos anjos decaídos, os demônios. Foram eles quem, por inveja, se aproximaram do primeiro homem para tentá-lo. Até então, Deus o havia colocado em um jardim de benesses [2], com múltiplas possibilidades de árvores e animais para comer e inúmeras coisas para fazer, tendo proibido apenas uma coisa: “Podes comer de todas as árvores do jardim. Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não deves comer, porque, no dia em que dele comeres, com certeza morrerás” [3].
Por medo da morte e pelo aviso divino, Adão e Eva não tinham comido da árvore, até que o demônio lhes tentou, invertendo o apelo de Deus e transformando em atrativo aquilo que era proibido: “De modo algum morrereis. Pelo contrário, Deus sabe que, no dia em que comerdes da árvore, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecedores do bem e do mal” [4]. Seduzidos pelo maligno, os primeiros pais pecaram e a desordem entrou na humanidade.
Para este curso de Terapia das Doenças Espirituais, o relato do livro do Gênesis sublinha um fato de notável importância: quando a serpente apresentou o fruto da árvore à mulher, ela “viu que seria bom comer da árvore, pois era atraente para os olhos e desejável para obter conhecimento” [5]. Estas três realidades – “comer”, “atraente para os olhos” e “desejável para obter conhecimento” – perpassam toda a história da humanidade: representam a tendência do homem para o prazer, para possuir as coisas e para o poder, essa última entendida como uma espécie de astúcia operativa.
São João entendeu bem isso, quando escreveu que “tudo o que há no mundo – a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a ostentação da riqueza [a soberba da vida] – não vem do Pai, mas do mundo” [6]. E o próprio Senhor, no deserto, foi tentado pelo demônio com essas três matérias [7]. Primeiro, Satanás propôs a Ele que transformasse pedras em pão, a fim de comer. Depois, “mostrou-lhe, num relance, todos os reinos da terra” e prometeu dar-Lhe tudo aquilo, se Se prostrasse diante dele. Por fim, tentou Jesus a fazer uma demonstração de poder: “Se és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo”. Nosso Senhor venceu as três tentações, mostrando ao homem que é possível, com a Sua graça, vencer a carne, decaída pelo pecado original.
Mas, que são essas três coisas que com razão se podem chamar de “raízes” do pecado? Tratam-se de três libidos ( libidines, em latim). As duas primeiras são chamadas por São João de “ἐπιθυμία” (lê-se: epithumía) – assim, há a “ἐπιθυμία τῆς σαρκὸς”, que é a concupiscência da carne, e a “ἐπιθυμία τῶν ὀφθαλμῶν”, que é a dos olhos –, pois estão radicadas na potência concupiscível do homem. A terceira, por sua vez, está na potência irascível: é a “ἀλαζονεία τοῦ βίου”, a soberba da vida.
A primeira, a libido amandi, é o apetite desordenado que “tem por objeto tudo o que pode fisicamente sustentar o corpo seja para a conservação do indivíduo, alimento, bebida etc., seja para a conservação da espécie, as coisas venéreas” [8]. O objeto dessa concupiscência é tanto a gula quanto o sexo desordenado, que é o vício da luxúria. É curioso que, na mesma época em que se vê o fenômeno da anorexia, de meninas que morrem de fome porque não querem comer, percebe-se uma humanidade que busca o prazer venéreo, mas não quer assumir a responsabilidade dos filhos. As pessoas querem comer, mas não querem engordar; querem fazer sexo, mas não querem estar abertas à vida.
A segunda, a libido possidendi, “é concupiscência animal, e tem por objeto as coisas que não se apresentam para a sustentação e o prazer da carne, mas que agradam à imaginação [delectabilia secundum apprehensionem imaginationis] ou a uma percepção semelhante, por exemplo, o dinheiro, o ornato das vestes, e outras coisas deste gênero. É esta espécie de concupiscência que se chama de concupiscência dos olhos” [9].
A terceira é a libido dominandi. É a soberba fundamental de querer ser igual a Deus, como fez Satanás. Enraizada no irascível, essa libido deseja o bem enquanto algo árduo: “Quanto ao apetite desordenado do bem difícil, pertence à soberba da vida, sendo que a soberba é o apetite desordenado da excelência [appetitus inordinatus excellentiae]” [10].
É para combater essas três causas do pecado que se praticam as três obras quaresmais: o jejum, a esmola e a oração; e também os três votos evangélicos: a castidade, a pobreza e a obediência. Também aqui se identificam os nossos relacionamentos com o outro, com as coisas e conosco mesmos. Se abusamos de outra pessoa, usando-a como objeto para obter prazer, estamos cedendo à concupiscência da carne; se idolatramos as coisas, pensando estar nelas a nossa felicidade, cedemos à concupiscência dos olhos; e se fazemos de nós mesmos deus, estamos na soberba da vida.
Deus criou o homem para que ele participasse de Sua divindade, mas ele deveria sê-lo pela graça, não por suas próprias forças. Quando Eva “se apega ciosamente ao ser igual a Deus”, ela rouba, com “ἁρπαγμὸς” (lê-se: harpagmós): as suas mãos se fecham para pegar para si. As mãos de Cristo são o contrário das mãos de Eva: elas se abrem para dar. Enquanto Eva quis, Cristo tudo entregou. Enquanto as mãos de Eva se voltam ao lenho para pegar, as de Cristo se deixam pregar ao lenho da Cruz para dar. Da primeira árvore nos vêm a desgraça e a morte; da segunda, a graça e a vida, a nossa salvação.
Para maiores detalhes acesse o link para o vídeo Assista o Vídeo clicando aqui
Fonte: Blog Pe. Paulo Ricardo BLOG Pe. Paulo Ricardo
Deus os abençoe!
CAFN

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Pensamento para os Jovens

Orientados para a vida eterna

"Queridos jovens, exorto-vos a não esquecerdes esta perspetiva no vosso projeto de vida: somos chamados à eternidade. Deus criou-nos para estarmos com Ele, para sempre. Ela ajudar-vos-á a dar um sentido pleno às vossas decisões e qualidade à vossa existência."

Fonte: Livro Pensamentos para os Jovens Papa Emérito 

Bento XVI.

Deus os abençoe Juventude!
CAFN

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O que precisa mudar na política do Brasil?

O sistema político do Brasil é um dos grandes problemas de nossa democracia. Do jeito que ele funciona estimula a corrupção, fazendo com que mesmo os bons candidatos acabem muitas vezes sendo corrompidos por causa do sistema. Como assim? Vamos explicar.
Um dos problemas é o tamanho do Brasil e de cada Estado. Em São Paulo, por exemplo, temos cerca de 600 municípios, o que significa que um candidato a deputado tem de trabalhar em todos eles para publicar sua candidatura e fazer sua campanha. Ora, se o período de propaganda eleitoral é de mais ou menos 60 dias, então, o candidato tem de percorrer cerca de 10 cidades por dia, contando sábados, domingos e feriados. Sem falar das grandes cidades onde ele certamente gastará muito mais de um dia.
Fica claro que o candidato não conseguirá visitar nem a metade das cidades. E imagine você o dinheiro que ele precisa gastar nisso. São milhões de reais: carro, combustível, assessores, eventos, cartazes, banners, etc., etc., etc. E quem é que tem milhões de reais? Quase ninguém. Então, o que fazem os candidatos? Têm de encontrar alguém para “bancar” toda essa despesa. Então, procuram uma multinacional, uma igreja, um sindicato, uma corporação da sociedade, um empresário rico, etc.
Bem, no caso de ser eleito, será que este candidato eleito vai trabalhar para o bem do povo, do “bem comum”, ou do bem de quem bancou a sua campanha? É claro, de quem bancou sua campanha, pois certamente assumiu um compromisso com ele. Ai surge os “lobbies” nas Assembleias legislativas e no Congresso Nacional, e assim, são os interesses individuais e corporativistas que conduzem as discussões dos assuntos a serem votados. E o povo, na verdade, fica sem os devidos representantes. Por aqui você pode entender um pouco porque o povo anda tão insatisfeito com os eleitos. Qual a solução para isso?
Parecem-me duas. Uma, evidentemente, é que os eleitores não podem dar o seu voto a esse tipo de candidato, bancado por uma instituição para  a qual depois vai fazer “lobbie”;  embora seja difícil saber quem são. Outra solução urgente é se implantar no país o VOTO DISTRITAL. Como ele funciona?
No voto distrital você vota por Distrito. Cada Estado é dividido em distritos – que podem variar de 100 mil a 300 mil, por exemplo – e cada um de nós vota em deputados apenas do seu distrito. E cada candidato só faz campanha no distrito. Isso gera muitas vantagens:
1 – Escolher fica mais fácil – cada eleitor conhece o candidato e o fiscaliza depois de eleito,  sabe onde ele mora, etc..
2 – A campanha fica mais barata- o candidato só faz campanha na sua região e não precisa andar muito e gastar muito.
3 – Acaba o “efeito Tiririca” – o voto de um candidato não elege outro.
4 – O gasto público diminui – acaba o toma lá da cá no Congresso.
5 – Os corporativistas perdem espaço, porque a eleição é por região. É claro que os politiqueiros e interesseiros não querem. As oligarquias se enfraquecem – dissolvem-se os currais eleitorais dos “coronéis”.
6 – Aumenta a força das capitais – que hoje elege poucos representantes.
7 – O Congresso é fortalecido, porque fica mais difícil fazer falcatruas e enganar o povo.
8 -  A corrupção diminui, fica mais difícil comprar as pessoas.
Em 2010, foram eleitos com os próprios méritos só 7% dos deputados federais. Se o voto distrital tivesse sido adotado em 2010 não teriam chegado à Câmara Federal 35 Sindicalistas, 21 religiosos, 28 familiares de políticos. (VEJA – 2233 – ano 44 – 36 7/9/1, pgs. 78-841).
Fonte: Blog Professor Felipe Aquino
Deus os abençoe!
CAFN

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Pensamento para os Jovens

Valor

"Sem dúvida, a vida só pode valer se tiverdes a coragem da aventura, a confiança de que o Senhor nunca vos deixará sozinhos."

Fonte: Livro Pensamentos para os Jovens Papa Emérito 

Bento XVI.

Deus os abençoe Juventude!
CAFN

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Pensamento para os Jovens

Chamamento

"Amados jovens, circundai de amor e gratidão os vossos sacerdotes. Se o Senhor tiver de chamar algum de vós para este grande ministério, como também para alguma forma de vida consagrada, não hesiteis em dizer o vosso sim. Sim, não é fácil, mas é bom  ser ministro do Senhor, é bom prodigalizar a vida por Ele!.

Fonte: Livro Pensamentos para os Jovens Papa Emérito 

Bento XVI.

Deus os abençoe Juventude!
CAFN

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Pensamento para os Jovens

Vocações

"Jesus nunca se cansa de estender o seu olhar de amor sobre nós, chamando-nos a ser seus discípulos; a alguns, porém, Ele propõe uma opção mais radical. Gostaria de exortar os jovens e adolescentes a estarem atentos para ver ser o Senhor os convida a um dom maior, no caminho do sacerdócio ministerial, e a tornarem-se disponíveis para acolher com generosidade e entusiasmo este sinal de predileção especial, empreendendo, com a ajuda de um sacerdote, do diretor espiritual, o necessário caminho de discernimento."

Fonte: Livro Pensamentos para os Jovens Papa Emérito 

Bento XVI.

Deus os abençoe Juventude!
CAFN

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Minha mãe faleceu e me disseram que agora ela se tornou uma intercessora no céu para mim. É verdade?

Se a sua mãe estiver no céu, é certo que ela intercede por você. A Igreja nos garante que os santos “intercedem por nós sem cessar” (Or. Eucarística).
Se ela estiver no Purgatório, também intercede por você, pois o nosso Catecismo, quando fala da “nossa comunhão com os falecidos” (n.958) diz que: “Nossa oração por eles pode não somente ajudá-los, mas também tornar eficaz sua intercessão por nós”.

O Papa João Paulo II disse nos dias de finados de 1992 e 1994 que:

“Numa misteriosa troca de dons, eles [no purgatório] intercedem por nós e nós oferecemos por eles a nossa oração de sufrágio”. ( L´Osservatore Romano de 08/11/92, p. 11)

“… os vínculos de amor que unem pais e filhos, esposas e esposos, irmãos e irmãs, assim como os ligames de verdadeira amizade sentre as pessoas, não se perdem nem terminam com o indiscutível evento da morte. Os nossos defuntos continuam a viver entre nós, não só porque os seus restos mortais repousam no cemitério e a sua recordação faz parte da nossa existência, mas sobretudo porque as suas almas intercedem por nós junto de Deus”. (L. R. 02/11/94)

É um costume antigo na Igreja acender uma vela pelas almas do Purgatório, suplicando a intercessão delas.
Prof. Felipe Aquino
Deus os Abençoe!
CAFN